Eliane Auer

Só quem conhece a alma do poeta é que sabe onde moram suas emoções.

Textos

Cedro envelhecido
images?q=tbn:ANd9GcQzsZHZuK4DNeX5nrE_XGMfH3QETudReMqejsp95gZN2GDkY6ri

Sinto saudades das minhas crianças travessas
Quando sorríamos e brincávamos,
 Falando bobagens
Ficávamos à beira do riozinho
Enquanto uns olhavam,
Outros entravam no rio para tomar banho.
Aquela leve queda d’água
A ouvir a música que dela surgia
Era um bálsamo nos corações
Daqueles que ali apreciavam.
 
Mais tarde um ventinho suave
Debaixo dos grandes cedros
Brincadeiras inocentes
Ainda ali permanecia.
 
Hoje não mais crianças
A água da cachoeirinha
Quase não existe...
 
Vejo apenas olhos tristes
Não tem mais água, não tem mais sorrisos
De nada vale o tesouro do larápio
Ao ouvir a fala do cedro triste
 
Se a montaria existe
Já não é mais por paixão
Nela esconde a tristeza e a decepção
Pobre cedro envelhecido
Nas mãos as marcas da escravidão
Renasce no coração, o desejo
Da viandante paixão.
Eliane Auer (Moça Bonita)
Enviado por Eliane Auer (Moça Bonita) em 14/07/2013


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
elianeauer@uol.com.br- @escritoraelianeauer
http://mocabonita.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=4239426